A triste canção da flauta

This post is also available in: Chinês, Inglês, Francês, Italiano, Russo, Espanhol, Árabe, Indonésio, Bósnio, Croata, Malay, Sérvio, Tagalog, Turco

Suhbah de Maulana Shaykh Nazim

A triste canção da flauta

Primeiro de Março de 2011, Terça-Feira

A’uzubillah himinash shaitan nirrajim

Bismillah-hir Rahman-nir Rahim

Assalamu’alaikum whm wbkt

Parte 1

(Este pequeno video consiste de duas partes, os primeiros 3 minutos são uma apresentação musical com um estranho instrumento chamado ‘hang’, um aparelho feito de porcelana que produz sons relaxantes e assombrosos. Assista ao vídeo aqui, é um vídeo de meros 3 minutos, e vale a pena ouvir, especialmente pelo fato de a jovem intérprete ser tão zelosa e encontadora de se contemplar.)

  • Foi uma apresentação hipnotizante, não se podia evitar de se sentir transportado brevemente para outro mundo. Maulana disse à intérprete que este não era um instrumento inventado recentemente, como dito por muitos (até mesmo pela Wikipedia), mas, de fato, é tocado desde os tempos dos Otomanos. Tocado pelas mulheres do Harém Real nas Cortes do Palácio Otomano, tais apresentações ofereciam relaxamentos aos Sultões. Maulana humildemente agradeceu Allah por enviar a ele esta jovem intérprete tímida, cuja apresentação ajudou a reduzir o peso sobre Maulana.

(não há comentários)

Fim da Parte 1

 

Parte 2

(A próxima parte deste video mostra Maulana fazendo uma reflexão sobre as melodias tristes e melancólicas produzidas por um instrumento parecido com uma flauta, chamado “nay”. Mostra Maulana falando após o fim da apresentação, a gravação do vídeo na verdade não mostra a apresentação em si. A fim de praticidade, iremos a palavra flauta daqui para frente, pois nem tantas pessoas sabem o que é uma “nay”.)

  • As notas produzidas por uma flauta são sempre melancólicas, tristes e assombrosas. Por quê?
  • A flauta é feita ao se cortá-la para fora de sua mãe, a planta do bambu. Desde o momento em que foi forçosamente cortada de sua mãe, o pedaço angustiado de bambu entalhado, agora chamado flauta, geme e chora, produzind os sons depressivos de alguém que deseja voltar para o lugar de onde veio, para se unir com o resto da árvore do bambu.
  • Nossas Almas foram criadas no Céus, e por um número inimaginável de anos, viveram ali em completa obediência e absoluta alegria de se estar no Reino Divino. Trazidas à Terra contra nossa vontade, e colocada dentro de uma gaiola de carne egoísta e desejos pecaminosos, ela chora de tristeza por esta separação inesperada; busca um caminho de volta para sua terra natal, os Céus.
  • Quando Maulana escuta a flauta, ele se lembra do triste suspirar das Almas, cada uma buscando o caminho de volta para casa. “Escute o que o bambu está dizendo a você”, diz ele, “escute sua reivindicação! Ele está reclamando da separação de sua planta mãe.”
  • Maulana concluiu elogianto o intérprete, dizendo que estava ‘vivo’, uma apresentação que não vinha da mente, mas do coraçõ! “Tocou como um verdadeiro mestre”, disse Maulana, “Eu me senti contente e relaxado escutando-o. E meu Mestre, GrandeShaykh Abdullah, confirmou isto.”

Al-Fatihah

Comentário

1) Separação e reunião

  • Assim como o bebê chora quando é separado do conforto do ventre de sua mãe, a separação da flauta de sua planta mãe é uma experiência dolorosa e que parte o coração. De modo semelhante, a Morte, a separação da Alma do corpo, tem sido descrita como uma experiência excruciante, pois a Alma diz adeus ao corpo, célula por célula.
  • Allah nos mostra através de nossas vidas mundanas, que a separação é sempre algo terrivelmente doloroso, e a reunião é o mais doce dos elixíres.
  • Toda morte é lamentada profundamete pelos amados, e alguns nunca chegam a ser capazes de aceitar aquela separação. Ainda assim, em cada separação, jaz a esperança e a doçura da reunião. Maulana diz: até mesmo ser ‘separado’ ao jejuar-se de comida apenas por algumas horas, faz do bocado de comida que comemos na quebra do jejum tão delicioso, e tão realizador.
  • Por isso o dito do Profeta (saw): “Saudade da própria pátria é um sinal de fé.”
  • Ó fiéis, vocês não foram criados nesta dunia. Vocês não foram criados para esta dunia. Vocês jamais foram parte desta dunia. E vocês jamais levarão uma parte da dunia de volta com vocês. Ouça a saudade dentro de suas Almas! Você veio de um lugar eterno e deverão retornar a este lugar eterno. Para aqueles que buscam, eles serão reunidos com seu Senhor Onipotente, para jamais ser separado novamente, para sempre.
  • Eternidade, diz Maulana, é a mais bela das palavras, dando tamanha esperança em meio ao desespero desta vida temporária, dando tamanha alegria em meio a tristeza e ao sofrimento desta vida, dando tamanho prazer em meio à dor e ao veneno desta vida. Eternidade.
  • Pergunte a qualquer um que perdeu um ente querido, amado, o que ele daria para passar apenas mais cinco minutos com aquele que ele perdeu – para segurá-lo, acariciar, abraçar e beijar esta pessoa, apenas uma vez mais, para afagar alguém de quem seu coração sente tanta falta. E se ele fosse dado a se reunir com a pessoa que partiu, por um ano? Ó, como seu coração iria cantar com alegria, como as notas de seu coração seriam alegres, felizes.
  • Mas ó fiéis, não percebos que fomos oferecidos a chance de nos reunir com nosso Amado, não por meros cinco minutos, nem por um ano, mas para sempre! Pela eternidade, Ele irá derramar Seu Amor sobre nós sem fim, nossas Almas jamais sofrerão pela separação d’Ele, nunca mais. Sabendo disto, nossas Almas agora estão suplicando para que nós trabalhemos em direção a esta reunião permanente, e para que adquiramos esperança e força deste grande desejo!
  • Ainda assim, nós somos surdos às súplicas de nossas Almas desoladas, e, virando as costas para a eternidade, nós escolhemos a separação d’Ele – nós escolhemos dunia. E por que fizemos isso, quando retornamos à vida após a morte, lá, nós deveremos desejar e esperar por esta dunia, e uma vez que jamais voltaremos para cá, será nossa vez de chorar, pois nós fomos separados eternamente daquele que amamos.

 

2) Verdadeiros Guias são Mestres do Coração

  • Ao final do vídeo, Maulana comentou que o intérprete tinha a marca de um Mestre, pois ele tocou do coração, e não da mente, e por isso, suas notas ‘penetraram’ o coração de Maulana, trazendo relaxamento e contentamento. Maulana nos ensina que os guias religiosos de hoje em dia são de dois tipos.
  • O primeiro tipo são os eruditos, aqueles que falam da mente, de notas memorizadas e discussões intelectuais. Eles estão ocupados acumulando títulos mundanos e distinções, e são oradores eloquentes, citando frequentemente de suas pesquisas e teses. Uma vez que suas palavras vêm de suas mentes, elas atingem somente a mente de seus ouvintes, mas sendo desprovidas de luz, trazem uma grande carga e peso sobre a mente. Um estudante encontra-se sobrecarregado de informações, mas ainda assim não pode combater a desordem maléfica dentro de si.
  • Maulana diz que estes tipos de professores acreditam que, para se ensinar um tópico/assunto, deve-se ler um livro sobre ele. Eles equalizam o fato de ter memorizado ou ter lido um monte de livros, como a definição de um aleem. Palavras que atingem a mente de um estudante não podem trazer satisfação, pois somente quando o conhecimento atinge o coração do murid ele pode encontrar contentamento.
  • O segundo tipo de Professor fala de um coração iluminado, das pérolas de sabedoria e das joias de verdadeiro entendimento. O deles é um conhecimento de experiência, pois ninguém encontrará pérolas ou joias sem embarcar em uma jornada difícil para encontrá-las. Tais abençoados falam aos seus corações, e participante sente-se iluminado e refrescado após sentar-se no círculo deles.
  • Você sempre pode distinguir! Maulana diz: a diferença é como a diferença entre o céu e a terra! Por certo uma pessoa pode distinguir uma fruta de plástico e uma fruta real. Um tipo de discurso (com ego) é endereçado a sua mente, ele lhe escurece e lhe sobrecarrega, enquanto o outro tipo (da luz do coração), é endereçado ao seu coração, ele levanta-lhe e relaxa, levando ao contentamento da Alma. Portanto, busque um verdadeiro Mestre, alguém que fale do próprio coração para o seu, pois, de coração a coração há uma conexão.
  • Maulana fala para os murids tomarem cuidado, pois diferente de vomitar comida contaminada se você acidentalmente a comer, não se pode livrar de ensinamentos contaminados (do primeiro tipo de eruditos) tão facilmente, talvez permaneçam com você, e o envenenem, até o fim de suas vidas. GrandShaykh diz: por esta razão, devemos ser cuidados para não nos sentar com aqueles que negam Tariqahs e Murshids, pois se o fizermos, devemos estar preparados para carregar uma grande carga de escuridão e para viver com um coração ferido por um ano!

Este Resumo é dedicado à amável memória da querida Irmã Maryam Fatima, filha do Shaikh Muhammad Baba Ishtiyaque (representante de Maulana para os EAU) que faleceu algumas horas antes deste Resumo ser postado. Ela foi a sublime inspiração por trás deste Resumo, pois enquanto ela experimentou a doçura da reunião, nós fomos deixados para trás com a tristeza da separação. Que Allah abençoe sua Alma eternamente, e que seus amados sejam concedidos tranquilidade eterna, pela dor que eles suportaram tão pacientemente. Amin. Al Fatihah.

 

 


This entry was posted in 2011, Março, Suhbah. Bookmark the permalink.